12 de setembro de 2016

Vai de Malha: a cultura brasileira contemporânea de facilitadores de colo


Bebês humanos e crianças pequenas dependem dos adultos e precisam ser carregados até que possam se movimentar sozinhos, em maior e menor intensidade conforme estágio de desenvolvimento.

Frente às outras formas de carregar um bebê - no colo sem aparatos ou em aparatos que tiram o bebê do colo, alienando-o de todos os incontáveis benefícios - certamente os carregadores oferecem um sem fim de vantagens.


Uma delas é a versatilidade.

Já sabemos que carregar bebês no colo com o auxílio de um facilitador remete à uma tradição ancestral: isso sempre ocorreu em absolutamente todas as culturas do mundo.


É notório que, de acordo com suas necessidades, materiais disponíveis e demais aspectos socio-culturais, nossas matrizes ancestrais de carregamento de bebê com auxílio de um facilitador elaboraram uma ampla gama de possibilidades para tal.

São carregadores rígidos ou não. De tecido, couro ou fibras. Quem trança, faz carregador de trança. Quem tem acesso ao algodão, carda e tece. Povos caçadores utilizam as peles dos animais. Se é frio, o carregador é quente. Se é quente, o carregador é leve.


Todas as fotos são do livro Bebês du Monde de Beatrice Fontanel e Clarice d'Harcourt

Atualmente, à partir do resgate dessa prática e cada vez maior adesão dos adultos que cuidam com afeto de seus bebês, temos visto essa tendência aplicada na contemporaneidade. Os carregadores de bebê podem ser encontrados de formas diversas, desde produtos altamente tecnológicos e caros até amarrações improvisadas com tecidos que alguém tinha em casa. 

Uma das questões bastante discutidas no universo brasileiro do carregamento de bebês com o auxílio de facilitadores de colo é o uso da malha para a fabricação de carregadores. A cultura contemporânea brasileira de carregamento de bebês usa a malha desde sempre, e aproveita de sua versatilidade e acessibilidade.

Boas malhas não apresentam contra-indicação nenhuma para serem usadas como matéria prima para carregadores de bebê, especialmente se forem wrapslings - exatamente porque sua segurança e praticidade está diretamente atrelada à amarração . No caso de carregadores modelados, como os pouchslings, as técnicas de corte e costura, sobreposição de tecidos e outros conhecimentos adquiridos ao longo dos anos pelas produtoras aqui no Brasil, em combinação com peso do bebê e qualidade da malha, garantem adequação desse produto, sem nenhuma contra-indicação.


Resumindo: bons produtos de malha feitos por bons fabricantes com experiência no seu manejo são extremamente adequados para carregar bebê.

O que temos visto, infelizmente, é uma tendência de tratar os produtos nacionais, a competência das fabricantes brasileiras e acima de tudo as escolhas das mães como passíveis de críticas sem fundamento nenhum, apenas porque não seguem aspectos de uma suposta cartilha europeia de carregar bebê.

Já falamos sobre isso nesse texto, que trata dessa lógica de colonialismo na comunidade de carregamento de bebês com o auxilio de facilitadores de colo. 

Os produtos brasileiros, construídos dentro do nosso contexto, por nossas mulheres, para nossos filhos, com nossos produtos acessíveis não são inferiores. E muito, muito menos proibidos ou inadequados. 

Portanto, ainda que algumas linhas de pensamento gostem de criticar o uso da malha na cultura brasileira contemporânea de facilitadores de colo, somos muito confiantes nesse sentido: não há problema nenhum com esse tecido.

Wrap Amor no Pano

Wrap Mandacaru
Wrap Toca Baby Slings


Pouch Lilith slings



Wrap WS Slings


Na prática, o que você precisa saber sobre um carregador feito em malha?



1) A diferença entre malha e tecido plano


A malha é aquele tecido feito de forma entrelaçada com a ajuda de agulhas, como um crochê ou tricô. Mas claro, em escala industrial, com fios muito finos e agulhas cada vez menores, temos um produto acabado diferente aquela blusa de lã que você imaginou. O tecido plano é feito com outro tipo de parâmetro, trançando dois fios separados em direções diferentes, a trama e o urdume, em uma máquina retilínea (o tear). Essa combinação pode variar em cores, formatos, tipos de fios, padrões, enfim. A área têxtil é um universo maravilhoso.


Um tecido plano, de uma forma geral, é um tecido menos elástico. Um tecido em malha, de uma forma geral, é um tecido que se estica mais.

Claro está que para ambos os casos a gramatura do fio, o tipo de trama, a qualidade da matéria prima sempre vai influenciar no produto finalizado. Assim, é óbvio que um carregador feito em malha fina, pode apresentar uma capacidade de tensão inadequada para carregar um bebê, tal e qual um tecido plano fino.


Wrap Colo de Pano


2) A composição e gramatura dos fios influenciam na elasticidade e aplicação do tecido

Os fios trançados podem ser 100% naturais, como o algodão por exemplo, ou apresentar combinações, com fibras sintéticas, como é o caso do elastano ou da malha PV que leva poliéster e viscose. Esses mesmos fios podem ser mais ou menos grossos, e essa espessura, a que chamamos de gramatura, tem também influencia na elasticidade do tecido. Um tecido que tem em sua composição fios elásticos vai apresentar maior elasticidade. Se for um tecido fino, mais elasticidade ainda.

Um tecido de malha de fio 100% algodão, vai apresentar apenas a elasticidade natural do tecido, que existe pela forma que o fio é entrelaçado. 



Os Wraps da Sampa Sling são produzidos com malha 175g/m2 - penteada 100% algodão. É um produto macio, agradável ao toque e durável. Não faz bolinha e permite ampla gama de amarrações e posições para o bebê. 

No geral, preconizamos que a malha seja de algodão, e isso está relacionado a dois fatores. O primeiro é porque a prática nos mostrou que a malha de algodão é ao mesmo tempo elástica o suficiente para você mudar o seu bebê dentro do carregador e colocá-lo para mamar por exemplo, e firme para oferecer bom apoio nas costas do bebê ou nos seus ombros. A outra razão é por conta da segurança química do tecido de algodão. Quanto menos componentes sintéticos, em linhas gerais, melhor para a pele do bebê e melhor o conforto térmico da dupla. Mas nenhuma dessas razões impede que você use muito feliz e com segurança o seu wrap de elastano ou sua malha PV. De fato, essa é uma escolha bastante pessoal na hora de carregar, e muitos usuários preferem e se adaptam muito bem com malhas sintéticas.




3) A modelagem do carregador precisa considerar a elasticidade do tecido

Em um wrap por exemplo, tecidos mais elásticos longitudinalmente precisam de uma largura maior no outro sentido, porque na hora de amarrar seu carregador, a elasticidade do tecido pode comprometer o conforto das costas da mãe com o peso do bebê, por exemplo. Então mais largura, significa mais dobra, mais área de tecido para dividir o peso. Nessa lógica, um tecido com uma elasticidade menor não carece de tanta largura, uma vez que bem aberto no corpo gera tensão suficiente para segurar o bebê com conforto.




Um tecido muito elástico certamente não será suficientemente bom por muito tempo para a fabricação de um pouch ou tipóia. No entanto, como já contamos, a experiência em modelagem e os anos de uso e revisão dos produtos, garante por exemplo, que os pouchs de malha que vendemos na Sampa Sling, sejam extremamente seguros e confortáveis. Este modelo de pouch foi cuidadosamente desenvolvido, testado e passa por constate aprimoramento pela Carol Queiroz, da Lilith Slings. 




Nosso sling de argolas de malha é um lançamento recente. Ele tem um toque extremamente suave e macio, e é feito em dupla face com sobreposição de tecidos, que limita o poder elástico da peça. favorecendo o suporte das argolas. Indicado para uso até 20kg. 

4) Saber usar influencia na segurança do carregador

O wrap de malha permite muitas amarrações. Para bebês pequenos e mães iniciantes, recomendamos sempre a pré amarração. Uma das maiores razões, além do respeito à fisiologia do recém nascido, é exatamente a versatilidade dessa combinação. A malha (especialmente de algodão) pré amarrada é fácil de colocar e oferece suporte em todo o corpo do bebê. Ela é ao mesmo tempo elástica o suficiente para que você possa virar o bebê dentro do carregador e colocá-lo para mamar por exemplo, e firme para firmá-lo com segurança contra o seu corpo. O que precisa ser considerado é a qualidade da amarração. Se o tecido está bem aberto, se a posição do bebê é adequada à sua fisiologia e necessidade naquele momento, se a mãe está confortável.


Wrap do Espaço de Maternagem


O pouch por outro lado não depende de amarrações, mas requer medidas de conforto e segurança. O modelo de pouch original da Lilith, é um exemplo desse conhecimento colocado na prática: quanto mais a mãe usa o carregador, melhor sabe lidar com ele, mais o bebê se encaixa nas posições que a mãe propõe. Isso porque o pouch de malha permite dobras e giros intuitivos, que vão se adequando ao formato dos corpos na rotina do carregar.

Veja duas amarrações laterais que você pode fazer com o wrap de malha



Veja a cruz envolvente feita com o wrap de malha



5) Existe um limite de peso do bebê, para qualquer carregador de malha

Nos pouchs da Lilith para Sampa Sling o peso limite sugerido é entre 12kg e 13kg. Ou seja, seu bebê poderá ser carregado desde recém nascido, com as recomendações de segurança que preconizamos (veja as BRAQS) até entre 2 ou 3 anos. Nesse percurso, ele vai mudar de posições dentro do pouch e você, se estiver curtindo esse modelo de carregador, vai perceber que existe sempre uma possibilidade de tensionar a tipóia através das dobras e torções da fita contínua e manejo da costura ao redor do seu corpo ou do bebê. Ainda assim, há quem tenha usado, gostado e recomendado muito pouch dobrado à partir desse peso, na modalidade tipóia mesmo (sem apoio nas costas, como fazem as mães indígenas brasileiras) para carregar crianças maiores. 

Nos wraps de malha o limite de peso está muito ligado ao bem estar da mãe. O wrap bem amarrado carrega uma criança tranquilamente até 18kg. Costumamos colocar esse limite de peso não porque o carregador não aguente pesos maiores, pelo contrário, a malha dos wraps da Sampa Sling é capaz de aguentar dezenas de quilos. Mas porque ao redor desse peso - aos quatro ou cinco anos, a criança começa a demandar menos colo, e o adulto diminui também a disposição de carregar. Ainda assim, nada impede que você carregue seu bebezão enquanto seu corpo aguentar.