11 de abril de 2017

Tecidos da Sampa Sling: testados, aprovados e certificados!

Nossa preocupação com a qualidade dos produtos, melhoria dos serviços e desenvolvimento de novas formas de promover o colo com amor é constante!

Pensando nisso, investimos na última temporada em um teste de qualidade para os produtos da Sampa Sling, que pudesse certificar os carregadores de pano do modelo SampaWrap para os fins que se destinam: aproximar mães e bebês com conforto e segurança.

Diferente de um teste de resistência comum de tecidos - onde as simulações de tração e peso são feitas nas amostras da matéria prima - optamos pelo teste do produto. E assim enviamos vários SampaWraps para o instituto responsável.



Foram realizados os seguintes testes:

- Lavagem doméstica;
ISO 6330:2012 Textiles -- Domestic washing and drying procedures for textile testing.

- Resistência à tração antes e depois de lavagem doméstica;
ISO 2307:2010 Fibre ropes -- Determination of certain physical and mechanical properties.

- Título de Fios;
BS EN 14970:2006 Textiles. Knitted fabrics. Determination of stitch length and yarn linear density in weft knitted fabrics.

- Números de carreiras e colunas por unidades de comprimento;
NBR12060 de 03/1991 Materiais têxteis - Determinação do número de carreiras/cursos e colunas em tecidos de malha.

- Massa por unidade de área (gramatura);
ISO 3801:1977  Textiles -- Woven fabrics -- Determination of mass per unit length and mass per unit area.

- Resistência à perfuração;
ASTM D3786 / D3786M - 13 Standard Test Method for Bursting Strength of Textile Fabrics—Diaphragm Bursting Strength Tester Method

- Solidez da cor de têxteis sob ação da fricção;
ISO 105-X12:2016 Textiles -- Tests for colour fastness -- Part X12: Colour fastness to rubbing

- Solidez da cor de têxteis sob ação de lavagem doméstica;
ISO 105-C06:2010 Textiles -- Tests for colour fastness -- Part C06: Colour fastness to domestic and commercial laundering

- Solidez da cor de têxteis sob ação de suor alcalino;
ISO 105-E04:2013  Textiles -- Tests for colour fastness -- Part E04: Colour fastness to perspiration

Os testes certificam a qualidade do produto da Sampa Sling, conforme tabelas de resultados: 







30 de março de 2017

Sampa Cruz Envolvente - a revolução no encontro de wrap e argolas!


O Sampa Cruz Envolvente é um carregador de pano híbrido desenvolvido pela Sampa Sling inspirado na tendência internacional de combinação de vantagens de cada modelo. Ele tem o ajuste fino e preciso das argolas, combinado com a ergonomia e conforto do wrapsling e a praticidade do fastwrap ou pouch, sempre com a qualidade da Sampa Sling. Pode ser usado com bebês desde o nascimento até aproximadamente dois anos.

À venda na loja!






O novo Sampa Cruz Envolvente é um encontro entre o Wrap Sling e o Sling de Argolas, inspirado na tendência dos carregadores dois em um, que acumulam vantagens de dois ou mais modelos.

Feito em malha 100% algodão, com qualidade Sampa Sling certificada, essas são suas principais caractristicas:

Alças macias e amplas distribuem o peso igualmente entre os ombros;
O tecido macio passa facilmente através das argolas proporcionando ajuste fino.
Não é necessário fazer nós ou se preocupar com amarrações;
Permite carregamento em várias posições;
É possivel movimnetar o bebê, sem desmontar o carregador;
Fácil de lavar, não faz bolinhas, nem desbota.

3 de março de 2017

Estuda Sampa Estuda: Slingando bebês com deficiência

Mais um artigo que relata nossa experiência de aprendizado na área de consultoria para carregadores de bebê. Desta vez, fizemos na School of Babywearing em Londres um módulo específico para o atendimento de bebês com deficiência, estudando as peculiaridades de cada caso e aprendendo sobre como uma consultora, fabricante ou apoiadora do carregamento de bebês com auxílio dos facilitadores de colo deve ter sempre uma abordagem afetuosa e inclusiva.

A CONSULTORA PARA CASOS ESPECIAIS

O comportamento de quem apoia os pais que desejam usar os carregadores de pano com seus bebês é fundamental no processo de aprendizagem. Para as famílias com bebês com deficiência, essa troca é ainda mais rica. Permite à consultora um grande aprendizado sobre as especificidades daquela condição e ajuda a família a encontrar suas opções. Há algumas sugestões de conduta para os profissionais do colo. Ficamos muito felizes em constatar que estamos alinhados, especialmente no que diz respeito a não forçar regras universais de carregamento. 

1) FAÇA PERGUNTAS – Você não é obrigada a saber tudo sobre uma condição. Normalmente quando os pais tem um bebê com alguma deficiência física, problema genético, de desenvolvimento, etc. eles pesquisam muito sobre a condição. Então estarão normalmente melhor informados do que você. 

2) NUNCA CONTRARIE UMA ORDEM MÉDICA – Por mais que você saiba que o uso do sling pode melhorar muito a vida de um pai/mae e de um bebê, se existe uma ordem médica, ela deve ser seguida. Se for o caso, escreva ao médico, ou entre em contato com ele pra conversar sobre sua visão e encontrar uma forma de ajudar a família em conjunto com ele(a). 

3) SEGURANÇA É PRIORIDADE – Segurança sempre em primeiro lugar. Na dúvida, pesquise, converse, pergunte. Nunca indique algo que possa parecer perigoso ao bebê. 

4) SEJA ADAPTÁVEL – As vezes você não poderá seguir as instruções do carregador à risca. Ou a melhor indicação para um bebê saudável, nem sempre será a mesma para um bebê com alguma dificuldade. Portanto, se adapte, crie, mude o que puder. O importante é ajudar a família que deseja carregar seu bebê.

OS BEBÊS COM GESSO

Um bebe com uma perna engessada por exemplo, pode ser complicado de se carregar no sling. O que considerar? Primeiramente – o peso. A perna deve ser suportada. Nesse caso, pode-se colocar o bebe em sentado, de lado em um sling de argola ou wrap sling.

Posição sentado de lado no wrap com pré amarração





Posição sentado de lado no sling de argolas


O BEBÊ COM HIPOTONIA

Um grande número de bebes com Síndrome de Down também tem Hipotonia. Essas crianças não se mantêm eretas, assim como outros bebês, e tendem a escorregar dentro do carregador. Qualquer carregador deve oferecer suporte de qualidade não só para a parte superior das costas e ombros do bebê, mas também para os quadris, lombar, meio-costas e pescoço. Com crianças mais velhas que gostam de ter mais acesso aos seus braços e mãos, isso pode ser cada vez mais desafiador. Muitos pais de crianças com sintomas de hipotonia preferem um portador mais estruturado do que um wrap, como um mei tai ou mochila.

Alguns bebes também podem se sentir mais confortáveis com carregadores mais macios como um wrap de malha por exemplo. Apertando corretamente e completamente o carregador, tendo o cuidado de não apertar demais, é essencial - o sling deve apoiar não só a parte traseira superior do bebê, mas oferecerem suporte na base do pescoço.

Muitos bebês hipotonia, incluindo aqueles com Síndrome de Down, podem se cansar quando estão de pé, em posição ereta, mesmo em um sling. É importante manter-se atento aos sinais do bebê e oferecer intervalos frequentes se necessitar, ou mudar de posição mais frequentemente do que normalmente pode evitar a fadiga muscular do bebê

Lembre-se que o que funciona melhor para carregar qualquer criança pode mudar de situação para situação, mês a mês ou semana a semana. Se um carregador de bebê não estiver funcionando…. há sempre outras opções.




O BEBÊ PREMATURO

O objetivo é compartilhar informação de apoio e deixar que os pais decidam o que é melhor para eles e seus bebês. Normalmente um wrap elástico ou um sling de argolas são os ideais para recém nascidos. A consultora tem a responsabilidade de ouvir os pais, seus medos e receios e empoderá-los na sua escolha.

Ao invés de usar um wrap em cruz envolvente – talvez uma amarração “rede” possa ser mais confortável para um bebê, para que ele não tenha suas pernas muito separadas no sling. O ideal é manter o recém nascido em sua posição natural, não manipulando muito e prestando muita atenção nos BRAQS.

Conheça o Sampa Cruz Envolvente, a possibilidade de carregamento lateral, vertical ou em rede dupla desse modelo híbrido pode ser uma excelente alternativa para prematuros. 



O BEBÊ COM DISPLASIA E SUSPENSÓRIO PAVLIK



- Não puxe ou empurre os quadris
- O Sling deve apoiar a coxa do bebe completamente
- O bebe vai provavelmente ficar mais “pendurado” do que vc gostaria. 
- O carregador que vc escolher sera um tamanho maior do que o bebe – por exemplo se ele tiver 4 meses, ira precisar de um carregador do tamanho de um bb de 6 meses. 
- Pense sempre que tem um pouco de peso adicionado. 
- Como o bebê ficara um pouco mais “pendurado” do que de costume, existe um centro de gravidade diferente.
- A distância entre as pernas deve ser mantida

Bebe com pavlik em um wrap e uma mochila:





Outros links uteis:

O BEBÊ COM ÓRTESE (BOOTS AND BAR)

A ortese de Denis Brown é uma parte do tratamento para bebes com PTC (pé torto congênito) – A primeira faze é gesso.  Quando dando alguma informação a pais com bebês usando a Ortese, lembre-se de:

- Não encostar nos pés do bebe
- Algumas orteses são de ferro, podem ser bem pesadas. 
- Você pode precisar colocar o bebe em uma posição mais alta do que de costume.

Nesse momento eu fomos demonstrar como colocar um bebê com boots and bar em um sling e chegamos juntas à conclusão de que a maneira mais fácil pode ser  deitar o bebe na cama, com o sling (mochila) passar a parte da base do sling pelo meio das pernas da criança, prender na sua cintura e só assim levantar com a criança, com o sling já posicionado.



O BEBÊ COM OXIGÊNIO SUPLEMENTAR

- A maior preocupação aqui, quando slingando um bebe que necessita de oxigênio, é que a canula não seja obstruída. Então você pode usar um esparadrapo para direcionar o tubo no corpo para que isso não aconteça. 
- Bebês normalmente precisam de oxigênio suplementar – um bebe que não respira sozinho não estará no sling. 
- Oxigênio é altamente inflamável portanto a indicação é – não cozinhar, ficar perto de chamas ; fogo ou fumar com o bebe no sling. 
- Lembre-se que o pai terá que carregar o bebe mais o tanque de oxigênio, portanto é necessário considerar o peso. 

2 de fevereiro de 2017

Cinco coisas que talvez você não saiba sobre babywearing


Victoria Ward* compartilha cinco coisas que talvez você não saiba sobre babywearing

Muitos pais já tentaram o tal babywearing (carregar um bebê, toddler ou criança em um sling ou carregador de bebê). Um sling é frequentemente um artigo essencial para novos pais, e mais e mais casais grávidos falam sobre o babywearing nos encontros de gestantes, são direcionados a experimentar um sling pelo pediatra ou consultora de amamentação, e aparecem em um encontro de slings para experimentar e tirar dúvidas. Razão do crescente numero de consultoras de carregadores de bebês. 

Babywearing pode ser maravilhoso para os pais, que tem a chance de ter suas mãos livres e ao mesmo tempo criar vínculo com seus bebês, entender seus choros e barulhos, assim reduzindo níveis de depressão pós-natal, além de poder desfrutar da conveniência de ser capaz de ir a lugares que carrinhos não tem acesso.

Aqui estão alguns outros aspectos de babywearing que você pode não conhecer:

1. Babywearing é calmante para bebês e ajuda no seu desenvolvimento saudável



Um estudo de Esposito et al. (2013) sobre carregar bebês, descobriu que os bebês cujas mães se moviam ao transportá-los (ajudados por um sling) choravam menos, faziam menos movimentos corporais associados à instabilidade e tinham batimentos cardíacos mais lentos do que os bebês que eram mantidos por mães que simplesmente estavam sentadas.

Muitos outros estudos têm demonstrado que estar perto dos pais ajuda na regulação da temperatura dos bebês, respiração e freqüência cardíaca. Eles dormem mais profundamente e geralmente por mais tempo, passam mais tempo em um estado de alerta calmo quando acordados e fortalecem os músculos da barriga - o que exigiria que eles passam longos períodos em de bruços para se desenvolver. 

Seu sistema de equilíbrio também se desenvolve mais rapidamente, e os sintomas de cólica e refluxo são reduzidos, assim como o risco de plagiocefalia (síndrome da cabeça chata). Bebês prematuros ganham peso muito mais rápido quando eles têm contato pele-a-pele prolongada com os pais, e o estresse da separação é reduzido quando os bebês são slingados.

2. Babywearing é uma prática - não importa o produto.



No Reino Unido, temos a sorte de ter acesso a uma grande variedade de slings e carregadores. Embora a seleção mais ampla seja encontrada on-line, lojistas estão tendo um maior interesse na gama de carregadores disponíveis, e o número de carregadores bons e ergonômicos encontrados em lojas está aumentando. 

Mas os benefícios de babywearing vem por causa da prática do babywearing e não pela marca que as pessoas optam por usar. Muitas mulheres africanas usam uma toalha para carregar seus bebês no que é conhecido como um transporte de torso, onde o bebê senta-se na parte baixa das costas da mulher, amarrado por uma toalha, que passa em torno de seu corpo, enrolado na parte de cima e dobrado na parte de baixo. 

No México, um rebozo é um xale comprido que pode ser amarrado com um nó simples para fazer um carregador de um ombro só - usado para transportar crianças de recém-nascidos até 3 ou 4 anos de idade. Você pode usar um nó de deslizamento ou um par de anéis de sling (anéis de alumínio ou nylon projetado, testados para uso com slings) para transformar qualquer lenço, xale ou pedaço de tecido em um sling, ou um belo carregador para combinar com a sua roupa para uma ocasião especial.

3. Você pode fazer bom uso de um sling antes de ter um bebê



Em todo o mundo, as mulheres usam pedaços de tecido para apoio da barriga na gravidez e para ajudar durante o trabalho de parto. Mais e mais doulas, professores pré-natais, professores de yoga e parteiras estão treinando no uso de alças para trabalho e parto, e compartilhando o que aprenderam com pais gestantes.

Você sabia que você pode usar um sling para suportar a dor do peso da barriga e dor de ligamento? Ou para apertar os quadris, aliviar a dor no quadril e fazer mais espaço na pelve? Ou para dar uma massagem suave na gravidez ou durante o trabalho de parto, ou uma firme massagem pós-natal?

Levar um xale, lenço ou sling de tecido em sua mala de maternidade significa que você sempre terá algo para cobrir a si mesmo, ou como uma forma de personalizar o seu ambiente de nascimento, ou um auxílio para tornar a bola de parto ou a cadeira de nascimento mais confortável. Você pode amarrar um nó nele e pendurá-lo sobre uma porta (fechando a porta - abrindo na direção contrária), para que você possa usá-lo para inclinar-se, balançar e agachar. E você será capaz de envolver o seu bebê recém-nascido nele, usá-lo como um travesseiro ou um apoio de amamentação, e muito mais.

4. É ideal para exercício pós-natal



Carregar seu bebê em um sling ou carregador pode auxiliar a recuperação de sua força após o parto e é especialmente útil para uma boa postura pós-natal (ajudando-se a se adaptar a não ter mais o peso do bebê baixo no seu corpo). Mesmo andando com seu bebê em um sling ou carregador por um curto período de cada dia, isso vai suavemente ajudar a tonificar os seus músculos da barriga e músculo pélvico,  adicionando alguns exercícios simples de pós-natal você pode aumentar seu nível de aptidão suavemente. 

Mães em algumas áreas do Reino Unido estão tendo a chance de experimentar aulas de Sling-Yoga, uma nova forma de yoga pós-natal projetado para mães e bebês. Os bebês começam a aula em um sling, enquanto suas mães realizam alguns suaves movimentos. Durante o trabalho no chão, os bebês podem ficar em uma sling ou deitados no chão ao lado de suas mães - todos os trechos funcionam se você tem um bebê pequeno na sua frente, um maior nas costas, ou um bebê dormindo em um carrinho no tapete. As aulas terminam com um relaxamento e uma conversa.

5. Pode ser uma prática salva-vidas



No tsunami japonês de 2011, as mulheres usaram tudo o que puderam para levar seus filhos a salvo. Um workshop na European Babywearing Conference, que aconteceu em Bristol, em Julho de 2013, abrangeu babywearing de emergência e estava cheio de idéias sobre como transformar objetos do dia-a-dia em carregadores de bebês. 

Passar um lenço longo através dos braços de uma camiseta faz um carregador semelhante ao podaegi coreano e cria tiras que vão sobre os ombros do adulto e amarram sob o bumbum da criança. A camisa de um homem e um cinto pode ser usados para criar um "corpo", com os braços da camisa amarrada em torno dos ombros do adulto ou torso. Outros itens que podem ser usados ​​incluem calças de moletom, cintos ou alças de bagagem, cortinas, bandeiras ... quase tudo que você poderia imaginar!

O que eu mais amo sobre babywearing é a versatilidade dele como uma prática. Pode significar coisas diferentes para pessoas diferentes, e pode ser realizado por pais, avós e irmãos com algo tão simples como uma toalha ou tão caro como um luxuoso tecido wrap ou um carregador feito-a-mão que custou centenas de libras. E é uma prática que tem benefícios para todos os envolvidos!

* Victoria Ward é a mãe de quatro crianças, com idade entre 2 e 8 anos, e ela dirige Babywearing UK (que inclui a School of Babywearing). Após o nascimento de seu segundo filho, ela abriu uma loja de maternidade e bebê e é treinada como consultora de babywearing, professora pré-natal NCT e professora de yoga. Em 2010, ela lançou a School of Babywearing, oferecendo treinamento em babywearing e recursos gratuitos para pais e profissionais. (Atualizado no momento em que este artigo foi impresso).

Fotos do arquivo Sampa Sling por Tati Wexler

Sampachila Canguru Ergonômico

Os cangurus ergonômicos são um acessório excelente para carregar bebês que já sentam. Chamados carregadores estruturados, eles promovem um colo seguro e confortável. Nesse vídeo Rosângela Alves apresenta a SampaChila, mochila da SampaSling, e mostra como o ajuste pode favorecer o bem estar da mãe e do bebê.